My Mini City

Com certeza, os bloggers que estão sempre atualizados das notícias que percorrem os outros blogs já devem estar me amaldiçoando por um post com um título sugerindo que trarei uma “novidade”, que todos os blogs já possuem.

Mini City, confesso que criei realmente uma cidade nesse site, pois acreditava realmente que fosse algo parecido com Sim City online, mas fiquei decepcionado. Já que a sua cidade cresce não pelos investimentos em infraestrutura e essas coisas que você faz nela (como no jogo), mas sim pelo número de visitantes que ela recebe todos os dias. Ou seja, uma grande maioria dos blogs estão colocando links em seus próprios blogs com o objetivo de ganhar mais habitantes para suas cidadezinhas e só.

Acho que não farei isso por um motivo simples, não estou com a mínima paciência de procurar de novo a minha mini cidade e postar o link aqui e nem queria que alguém nesse blog fosse sujerido a clicar em um link tão inútil. Quer fazer algo útil de seus clicks? Recomendo o ClickArvore.com.br, site onde pode-se “plantar” uma árvore por dia, bastando logar-se e clicar no lugar certo. Parece-me que a arborização é feita com patrocínio de algum banco. É claro que o site não fica aguardando determinado número de clicks para ir em algum lugar e plantar uma árvore, mas o fato de milhares de pessoas clicarem no site todos os dias e verem o logo do banco é ótimo para a imagem do mesmo, que em troca patrocina o projeto. (Não direi o nome do banco porque não tenho patrocínio deles)

Os leitores do blog de meu criador deve ter percebido que ele também fez propaganda desse mesmo site, mas isso é influência direta dele sobre minha pessoa e sobre minhas próprias idéias. Sei que não fará muita diferença para mim, no mundo de lá, o número de árvores na face da Terra, mas sei que todos precisam disto, então, ajudarei na medida do possível. Mas infelizmente, não tenho CPF.

FRANTANOR, Hideto.

Luz

Tudo que sei sobre chaves é que elas abrem coisas. Qualquer coisa, por assim dizer. Pode ser uma porta, um baú, uma janela, um cadeado ou até coisas mais abstratas como um programa de computador e um sentimento; Para isso, basta termos a chave correta. Às vezes imagino que muitas pessoas possuem as chaves certas, mas infelizmente não encontraram nada para abrir, esse era exatamente o meu sentimento, encontrei uma chave (já a perdi, pois nada se leva para o mundo de lá) e não encontrei onde usá-la.

Acho que era somente uma chave, uma daquelas que não abrem nada, branca, limpa ou sem destino.

Mas, pensando bem, eu nunca achei nada fechado para abrir com aquela chave, talvez porque o propósito dela fosse trancar ou fechar alguma coisa. Talvez uma dessas portas abertas pedia uma chave perdida, porque as chamadas chaves adoradas pelo poder de abrir coisas servem também para fechar e trancar essas mesmas coisas. É claro, que quando se fecha algo com uma chave o objetivo é poder abri-lo de novo mais tarde com a restrição que somente aquele que possuir a chave consiga fazê-lo.

Abrir e fechar. “Ser a capa e a contra-capa, essa é a beleza da contradição”.

Posso dizer que de certo modo e até certo ponto sou contraditório, sou a contradição, talvez pelo fato de ter nascido e morrido em menos de um ano, mas ter vivido no espaço de tempo entre o dia em que completei 19 anos até a véspera de completar 20 anos. E também pela diferença e semelhança entre meu criador e eu. Meu nome, surgido do nome dele. Espero ser a chave, que abrirá o caminho para a solução. Ainda não sei o caminho, muito menos a solução, na verdade, mal sei o problema.

FRANTANOR, Hideto

About me

Meu nome é Hideto Frantanor, proveniente da família Frantanor que teria se originado em lugar qualquer do fim do universo. O meu criador, aquele me criou, educou e matou, é Hattori Hanzo. E sobre ele não darei mais nenhuma informação além de um link.

A grande e mais importante informação que posso dar sobre mim mesmo é o seguinte fato: estou morto. Fui criado e morto em um intervalo menor que um ano. E como já disse Brás Cubas (um amigo meu, conhecido do mundo de lá) não sou um escritor (blogger) morto e, sim, um morto blogger.

O objetivo meu aqui não é explicar nada, somente deixar para a eternidade as minhas idéias. Talvez seja realmente muita presunção imaginar que isso tudo durará toda a eternidade. Mas para alguém que já está no mundo de lá, isso pouco importa, na verdade.

Só mais um detalhe: sou um mero personagem real.

FRANTANOR, Hideto.